Cereais, Fibras e Oleaginosas

A CNA trabalha para fortalecer as atividades de cereais, fibras e oleaginosas, aumentar a rentabilidade do produtor, promover internacionalmente o agronegócio brasileiro e ampliar o acesso a mercados. Na estrutura da CNA, a Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas coordena as ações relacionadas à essas atividades, representando os produtores e promovendo articulações junto ao executivo, legislativo e demais órgãos relacionados ao setor. Além disso, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) fomenta a capacitação e presta assistência técnica e gerencial na propriedade rural. Explore os temas relacionados à cereais, fibras e oleaginosas e veja o que o Sistema CNA está fazendo pelo produtor rural.

A Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas é formada por representantes das Federações Estaduais de Agricultura e Pecuária e entidades civis ligadas ao setor. O objetivo da mesma é atuar no âmbito técnico, político e econômico do setor, defendendo e representando os interesses do produtor em fóruns, audiências e congressos no Brasil e no exterior. As reuniões ordinárias da comissão visam detectar, discutir e propor soluções e políticas públicas que favoreçam ao setor de cereais, fibras e oleaginosas.

Comissão Nacional de Cereais, Fibras e Oleaginosas

Relato das ações da Comissão

  • Avaliação e acompanhamento da composição e variação dos custos de produção de cereais, fibras e oleaginosas através do Projeto Campo Futuro;
  • Ações de promoção comercial;
  • Elaboração de propostas de políticas públicas;
  • Proposição de ações visando o aperfeiçoamento da operacionalização do Seguro Rural;
  • Acompanhamento de ações visando melhoria da eficiência do manejo de resistência de pragas;
  • Atuação no setor de registro e inspeção de cultivares, mudas, sementes, defensivos, e fertilizantes;
  • Atuação junto aos órgãos competentes para adequação da logística e infraestrutura necessária para o escoamento e armazenamento da safra.

Resultados Alcançados

  • Levantamento dos custos de produção de grãos, fibras e oleaginosas produzidos em diferentes regiões do país;
  • Atualização do Preço Mínimo dos produtos;
  • Encaminhada ao MAPA proposta do Plano Agrícola e Pecuário no que tange os interesses do setor;
  • Viabilização da comercialização de produtos inscritos na PGPM.
  • Redução na Tarifa Externa Comum de fertilizantes fosfatados, assegurando menores custos aos produtores.

Membros

Representante Federação UF
Ademir Jonatan Weisheimer FAEPA (PB) PB
Adriano Barzotto FAEG GO
Adriano Gabriel Maraschin FAEPA (PA) PA
Alan Fabrício Malinski CNA DF
Alexandre Jose Cattelan EMBRAPA SOJA -
Alexandre Vanis Volpon FAESP SP
Alexandre Velho FEDERARROZ -
Ana Christina Sagebin Albuquerque EMBRAPA TRIGO -
Antônio Álvaro Corsetti Purcino EMBRAPA MILHO E SORGO -
Assuero Doca Veronez FAEAC AC
Braulio Augusto Lira Vieira FAESE se
Caio Cesar Coimbra FAEMG MG
Denio Augusto Leite Santos FAESE se
Enori Barbieri FAESC SC
Fabrício Morais Rosa APROSOJA -
Francisco Lineu Schardong FARSUL RS
Frederico Sodre Dos Santos FAET TO
Geovani Muller FAPEDF DF
Hamilton Guterres Jardim FARSUL RS
Jason De Oliveira Duarte EMBRAPA MILHO E SORGO -
João Carlos Werlang ABRAMILHO -
João Jorge Reis FAEC CE
José Antônio Borghi FAEP PR
José Brilhante Neto FAPEDF DF
José Carlos Pires IRGA -
José Carlos Senhorini FAET TO
José Hilton Coelho De Souza FAEMA MA
Jose Renato Bouças Farias EMBRAPA SOJA -
José Sérgio Delmiro Vale FAEMA MA
Justino Mendes De Aquino FAMASUL MS
Leonardo de Oliveira Machado FAEG GO
Leonardo Mainare Brauna APROSOJA -
Luis Alberto Moraes Novaes FAMASUL MS
Maciel Aleomir da Silva CNA DF
Márcio Antonio Vassoler FAESP SP
Marcos Da Rosa FAMATO MT
Moises Almeida Schmidth FAEB BA
Nelson Natalino Paludo FAEP PR
Osvaldo Vasconcellos Vieira EMBRAPA TRIGO -
Paulo Leite De Mendonça FAEAP AP
Paulo Roberto Galerani EMBRAPA -
Rafael Vivian EMBRAPA -
Ricardo Manoel Arioli Silva FAMATO MT
Rodrigo Otávio de Araújo Herval FAEMG MG
Rubens Fernandes Da Costa FAEPA PB
Rubilar Da Rocha Portal FAEAP AP
Rudevi Bombardi FAEB BA
Sebastião Gomes Medeiros Neto FAEC CE
Sebastião Pedro da Silva Neto EMBRAPA -
Sérgio Bortolozzo ABRAMILHO -
Túlio Lemos FAEAC AC
Vanderlei Silva de Ataíde FAEPA (PA) PA

Participação em fóruns, Câmara Setorial ou Grupos de Trabalho

Participação em fóruns, Câmara Setorial ou Grupos de Trabalho

2019 – 1º semestre

Ação contrária à Instrução Normativa nº 59/2018 que regulamenta a prática do Refúgio

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou no dia 24 dezembro de 2018 a Instrução Normativa n° 59 da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA/MAPA) que institui, em todo o território nacional, a prática de plantio de áreas de refúgio estruturado como medida fitossanitária. Essa medida transfere toda a responsabilidade de preservação da tecnologia para o produtor.

A CNA é favorável a prática do refúgio, porém defende que produtor e indústria façam a sua parte. Assim, manifestou-se pela revogação da norma. Foi assegurado que os debates sobre esse assunto serão reativados pelo MAPA e caso as empresas não assumam a responsabilidade em disponibilizar materiais compatíveis com os materiais genéticos, a IN será automaticamente revogada.

Posicionamento pela manutenção do registro do Glifosato

O Glifosato está em reavaliação toxicológica pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a qual prevê a manutenção do ingrediente ativo no país, com novas medidas sanitárias, principalmente para o manejo do produto durante a sua aplicação e a sua dispersão.

A CNA participou da consulta pública da Agência, se posicionando favoravelmente à manutenção do registro. Além disso, elaborou um material técnico e o submeteu às Federações para subsidiá-las no sentido de que também participassem da consulta pública.

Pedido de priorização de defensivos agrícolas

Como forma de garantir a celeridade do processo de registros, a CNA participou da seleção e classificação de 74 defensivos agrícolas considerados prioritários ao setor produtivo. Esse material foi encaminhado ao MAPA e será priorizado pelos órgãos registrantes.

Difusão de ferramentas de mitigação de risco de mercado na agricultura.

A CNA, em conjunto com a XP Investimentos, B3, Bolsa de Chicago (CME) e Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) realizou o Agri Road Show em Londrina/PR, Cascavel/PR, Campo Verde/MT, Lucas do Rio Verde/MT, Cuiabá/MT e Luis Eduardo Magalhães. O evento objetivou a difusão de ferramentas que podem ser utilizadas pelos produtores na gestão dos riscos de preços das commodities agrícolas e auxiliar na tomada de decisão. No total, aproximadamente 350 produtores e agentes de mercado participaram dos eventos.

Ação Direta da Inconstitucionalidade (ADI) contra a decisão do banimento da pulverização aérea no estado do Ceará

A CNA está atuando contra as ações estaduais que buscam proibir o uso de defensivos ou práticas agrícolas. Isso está ocorrendo para evitar que outros estados utilizam essas ações como jurisprudência em novas atuações.

Sendo assim, a CNA entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI), objetivando reverter a decisão do governo do Ceará de proibir a pulverização aérea no estado.

Participações

  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DE MILHO E SORGO (MAPA)
  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DE OLEAGINOSAS E BIODIESEL (MAPA)
  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DE ALGODÃO E DERIVADOS (MAPA)
  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DO ARROZ (MAPA)
  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DO FEIJÃO (MAPA)
  • CÂMARA SETORIAL DA CADEIA PRODUTIVA DA SOJA (MAPA)
  • CÂMARA TEMÁTICA DE INSUMOS AGROPECUÁRIOS (MAPA)
  • COMISSÃO ESPECIAL DE RECURSOS DO PROGRAMA DE GARANTIA DE ATIVIDADE AGROPECUÁRIA (MAPA)
  • COMISSÃO TÉCNICA CONSULTIVA DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO DE UNIDADES ARMAZENADORAS (MAPA)
  • COMISSÃO BRASILEIRA DE AGRICULTURA DE PRECISÃO (MAPA)
  • PROGRAMAS NACIONAIS DE MANEJO INTEGRADO LAGARTAS DA MOSCA BRANCA (MAPA)
  • GRUPO TÉCNICO CIENTÍFICO DOBRE MANEJO DE RESISTÊNCIA DE INSETOS-PRAGA DE PROTEÍNAS ISOLADAS DE BACILLUS THURINGIENSIS (MAPA)

Notícias

Vídeos