CNA debate cenário e perspectivas para os setores de borracha natural, celulose e carvão vegetal
Eucalipto Wenderson Araujo

Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura se reuniu na quinta (22)

23 de julho 2021
Por CNA

Brasília (23/07/2021) – A Comissão Nacional de Silvicultura e Agrossilvicultura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu, na quinta (22), para debater o cenário atual e as perspectivas para os setores da indústria de celulose, da heveicultura e do carvão vegetal para siderurgia.

O presidente da Associação Brasileira de Produtores e Beneficiadores de Borracha Natural (Abrabor), Antônio Carlos da Costa, falou sobre o mercado de borracha natural. Segundo ele, a cadeia produtiva movimenta R$ 28,7 bilhões, gera mais de 100 mil empregos, sendo 22,8 mil só na heveicultura.

“A cultura da seringueira tem impactos econômicos e sociais extremamente positivos para o agro brasileiro. A extração do látex ou sangria é uma atividade estritamente manual, o que faz dela uma cultura intensiva em mão de obra”, disse o presidente da Abrabor.

Com relação às perspectivas de mercado, Antônio Carlos afirmou que neste ano a demanda por borracha natural deve crescer 5,8% e a produção 5,7%. De 2022 em diante, a taxa de crescimento da oferta deve se manter continuamente mais baixa do que a demanda e os preços devem sofrer pressão altista.

“Se os preços continuarem atrativos, a expectativa para os próximos cinco anos é de um aumento de 40% da área de produção com látex no Brasil”.

Áreas de atuação