Ceará

21/12/2018

Presidente da FAEC faz balanço e diz que setor produtivo alcançou bons resultados

Por: Jornalista Silvana Frota

O ano de 2018 foi de muitas expectativas para o setor produtivo cearense, diante das incertezas da economia e das perspectivas de chuvas, que ficaram abaixo da média, com os  reservatórios chegando  ao final do ano com menos de 30% da capacidade.No  entanto, o Censo Agropecuário Preliminar divulgado  pelo  IBGE esse ano  além de ter trazido importantes informações que vão possibilitar a adoção de novas políticas públicas voltadas para os diversos segmentos pesquisados, mostrou que apesar de seis anos seguidos de seca no Ceará houve um aumento de mais 3% no número de estabelecimentos rurais  (381.017.394.), apesar de ter ocorrido uma redução da área plantada, que passou de 7.948.067 para 6.895.412 (-13), em 2017,  disse o Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado , Flávio Saboya ao fazer um balanço das ações e demandas dos segmentos, que são crescentes.

No entanto, o que mais nos chamou a atenção nesta pesquisa do IBGE, foram os  resultados estruturais sobre os setores que mais cresceram no Ceará nos últimos 10 nos (2006 a 2017), que colocam nosso  Estado, na segunda posição no ranking da produção de leite no país , passando de 459.33l mil litros, para 574.857 mil litros/leite ; segundo lugar na produção de ovos,  saindo de 74.276 para 141.501(mil/dúzia) e segundo lugar no efetivo de ovinos, que passou  de 1.564.907 em 2006  para 1.813.979 cabeças, em 2017. Esses três setores representam mais de 80% do Valor Bruto da Produção Pecuária (VBP) cearense.

O   resultado positivo na produção de leite no Estado, deve-se não somente a tenacidade e resistência dos nossos produtores, como as boas práticas aplicadas no campo e o retorno  da assistência técnica, esta última implementada não somente pelos órgãos governamentais,

mas  pelo Sistema FAEC/SENAR/ SEBRAE/CE, que apostaram na gestão como principal ferramenta para o crescimento da produção/produtividade do leite e hoje já estão assistindo quase 500 produtores. Ressaltamos que somente através do Programa Sertão Empreendedor e do PASLeite  foram beneficiados desde 2014  mais de  mil e quinhentos  produtores de leite, e que o programa de Assistência Técnica e Gerencial- ATeG do Senar, desponta como uma promessa de melhores dias para o homem do campo.

Com o intuído de salvar o rebanho da região durante o período de forte estiagem, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil-CNA ,  conseguiu alterar o critério de enquadramento dos produtores no Programa Venda em Balcão, da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Até então, apenas os pecuaristas com imóveis até quatro módulos fiscais acessavam o Programa; atualmente, produtores que possuem até 10 módulos fiscais conseguem comprar milho a preços subsidiados. Além disso, conseguimos sensibilizar o Governo para a necessidade de incluir, nos Planos Agrícolas e Pecuários, o financiamento para retenção de matrizes ovinas e caprinas. Vale destacar, ainda, as conquistas relacionadas às dívidas rurais, uma das principais questões defendidas pela CNA e suas Federações nos últimos anos.

RENEGOCIAÇÃO DAS DÍVIDAS E NOVAS AÇÕES

 A renegociação e/ou liquidação de dívidas dos produtores rurais, a partir de medidas compatíveis com o problema vivido pelos pecuaristas, foram contempladas nas Leis 13.340 /2016 e 13.606/2018, permitindo a reinserção econômica e produtiva de milhares de produtores rurais dos estabelecimentos localizados na área de atuação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene). 

Todas essas medidas proporcionam maior suporte aos pecuaristas, especialmente em momentos de adversidade climática. Temos clara e expressiva oportunidade para o desenvolvimento e o fortalecimento da agropecuária da região Nordeste. Mas é imprescindível que haja uma política de Estado para a região e não programas imediatistas. Continuo sustentando há vários anos a necessidade do Seguro-Seca e de um programa de segurança  alimentar  animal, como existe em países que têm problemas com o clima e com água. O Governo  precisa também definir como será o uso da água pelo setor produtivo, já existe um estudo da ADECE ,mas os empresários precisam de segurança para poderem investir principalmente em culturas  irrigadas.Recentemente , foi criada uma Câmara Setorial do Agronegócio , dentro da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e  a nossa expectativa é de que esses e outros  problemas sejam solucionados a partir do próximo ano.  

FIM DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL

Segundo Saboya a  Federação da Agricultura e Pecuária com seus Sindicatos Rurais e a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil-CNA , tiveram que enfrentar em 2018  a desregulamentação do pagamento da contribuição sindical. Nesse sentido, uma das nossas primeiras ações foi promover um Seminário de Sustentabilidade Sindical, o que permitiu um diagnóstico completo das necessidades e de um novo planejamento estratégico visando a manutenção das atividades com a oferta de um maior número de serviços dos Sindicatos  aos seus associados.

Criamos vários grupos de trabalho para debater a revitalização da cajucultura, a revitalização do algodão, esta ultima, teve  como  resultado  a  assinatura de um convênio de cooperação entre a SEAPA, FAEC, SDA/EMATERCE e   SINDIALGODÃO  e os resultados já são bastante promissores, inclusive com a assistência técnica do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural- SENAR-CE, braço educativo da FAEC .  Também engrossamos fileiras juntamente com a cadeia produtiva do leite, no sentido de aumentar a pauta do leite UHT e do leite em pó desidratado vindo de outros Estados e até do Mercosul., disse Saboya. No final, conseguimos que o Governo taxasse em 0,5% esses produtos, a partir de janeiro do próximo ano.

PROPOSTAS AOS CANDIDATOS

Somente no Pacto de Cooperação da Agropecuária Cearense - AGROPACTO, que reúne o setor produtivo a cada quinze dias, ele informou que foram  realizadas  22 reuniões esse ano , tratando de temas da mais alta importância para o desenvolvimento do agronegócio ou trazendo temas para debate, como foi o caso da com os candidatos ao Governo do Estado, realizado no mês de setembro, com  o tema  "O que esperamos do próximo governador", que resultou na entrega de um documento com as reivindicações  aos candidatos ao governo do Estado, e que sintetizam o pensamento do setor baseado em sete  áreas : pobreza rural, insegurança no meio rural, meio ambiente, infraestrutura e logística, educação no campo, segurança alimentar e desenvolvimento do agronegócio cearense. A CNA, promoveu por outro lado, encontro com os presidenciáveis e entregou  ainda,  um   resumo   Executivo com  tema : O Futuro é Agora .

SENAR LEVA CAPACITAÇÃO

Ao longo de sua história de 25 de atuação no Estado do Ceará, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural – SENAR já ofereceu gratuitamente mais de  23 mil  cursos, atendendo a mais de 419  mil produtores.  Sua missão é exatamente promover a capacitação dos produtores e trabalhadores rurais, com a oferta de cursos de Formação Profissional Rural - FPR, Promoção Social - PS e de Programas Especiais - PE, com uma grade de cursos em todas as cadeias produtivas da agropecuária. Somente em 2018, ofertou 1.100 cursos e capacitou em diversas áreas mais de 19 mil produtores.

O Seminário Nordestino de Pecuária - PECNORDESTE realizado há 22 anos pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará - FAEC, com a participação direta do SENAR, dos Sindicatos dos Produtores Rurais e outros parceiros, é, sem dúvida, um espaço privilegiado de discussão sobre o semiárido, criando também novas oportunidades para o produtor, trabalhador rural e técnico conhecerem as tecnologias que podem ser aplicadas nas propriedades rurais. Um show room com essas tecnologias premiará este ano as três melhores iniciativas. 

Além disso, os produtores que participam do evento recebem todos os anos cursos de capacitação no Espaço SENAR, através de oficinas em diversas áreas, demandadas por eles, pela comissão técnico-científica, instituições e associações parceiras. Somente este ano, foram  25 oficinas, mostrando o passo a passo de como preparar, por exemplo, receitas com o uso da Palma forrageira na alimentação humana. Palestras técnicas ministradas por especialistas em nove setores da Pecuária e exposições de equipamentos da moderna Agropecuária deixam o produtor atualizado.

Na área de Saúde, atuamos através do Programa Saúde do Homem e da Mulher, que garante o exame de prevenção do câncer próstata e do colo de útero . Esse ano, levamos o programa para 10 localidades da zona rural, beneficiando 2.240 pessoas.

DOIS IMPORTANTES MOMENTOS

O estado do Ceará   sediou este ano, no dia 4 de julho,  uma importante  reunião da Comissão Nacional de Desenvolvimento da Região Nordeste  da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), com a participação dos nove (9) Presidentes de Federações de Agricultura e Pecuária dos  Estados  nordestinos,  sob a coordenação do  Presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Pernambuco – FAEPE , Pio Guerra Júnior, tendo  a FAEC como como anfitriã. 

Na pauta da reunião foram debatidos  os seguintes assuntos :  Avaliação atual do Projeto “Forrageiras para o Semiárido – Pecuária Sustentável”; Adesão do Nordeste ao CAR e apresentação do Programa de Regularização Ambiental (PRA);  Possibilidades de dessalinização da água do mar em maior escala –com a participaçãodo  Deputado estadual ,  Carlos Matos ( PSDB-CE) .

Também sediamos a 4a edição Semana da Aquicultura, no  auditório do Sebrae- CE,  e contou com quatro palestras de especialistas na área, a começar pelo Presidente da Comissão Nacional de Aquicultura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Bradil-CNA, , Eduardo Ono , que abordou sobre os Cenários e Perspectivas da Aquicultura no Brasil, que segundo ele são promissores, mas destacou a necessidade da organização setorial.Hoje existem diversas associações espalhadas pelo país com a  mesma demanda  para a aquicultura, nós precisamos unificar o discurso e concentrar os pleitos para avançarmos na resolução dos principais problemas, disse Eduardo Ono. Destacamos a importância do debate promovido pela CNA no Estado, quando aproveitamos para  cobrar  das autoridades uma compensação para os produtores que sofrem com a proibição da outorga da água para criação de tilápia.Venho defendendo o Seguro-Seca para todos os produtores nordestinos que sofrem com as secas cíclicas e que continuam amargando prejuízos, demitindo funcionários e deixando de produzir alimentos.

SENAR CAPACITA GRATUITAMENTE MAIS DE 19 MIL PESSOAS NO CAMPO EM  2018 

Criado há 25 anos com a finalidade de promover a capacitação  do homem e da mulher do campo, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural- SENAR- CE , implantou novas ações, cumpriu e até superou e metas  no ano de 2018, disse a Diretora  Ana Kelly Cláudio Gonçalves.  Os cursos gratuitos de capacitação, executados pelo  SENAR-AR/CE, viabilizaram  em 2018 a qualificação de  mais de 19 mil pessoas, com a realização de 1.100 cursos de Formação Profissional Rural e de Promoção Social, impulsionando as atividades produtivas de 132 municípios cearenses com treinamentos nas áreas de agricultura, pecuária, avicultura e fruticultura, alimentação e nutrição, entre outros.

Além disso, capacitamos, também, os produtores e as produtoras rurais na gestão da propriedade, com os programas Negócio Certo Rural (32 cursos) e Mulheres em Campo (04 cursos), beneficiando 650 pessoas e na Inclusão Digital para que todos aprendam a utilizar o computador, a redigir e formatar documentos, a criar planilhas e acessar a internet e buscar informações que tragam melhores resultados na gestão de seus negócios, capacitando 795 treinandos, disse Kelly CLaudio .

Segundo o Superintendente do SENAR, Sérgio Oliveira da Silva, na Assistência Técnica e Gerencial o SENAR  atendeu a  425 propriedades, englobando 23 municípios, nas cadeias da Apicultura, Bovinocultura, Ovinocaprinocultura, com metodologia própria e inovadora. Na área social   o SENAR  oferece o Programa Agrinho, levando às escolas de ensino fundamental da zona rural, uma proposta pedagógica baseada nos temas transversais (meio ambiente, saúde, cidadania, trabalho e consumo e viver bem no semiárido), na transdisciplinaridade e na pedagogia da pesquisa, atendendo 48 municípios e beneficiando 196.987 alunos.

Também levamos saúde para o homem e a mulher do campo, com os programas Saúde do Homem e Saúde da Mulher, atendendo 1.141 homens com o exame de PSA e consulta com o médico urologista e 1.061 mulheres com os exames de papanicolau, ressalta .

Sérgio  Oliveira,  ressalta ainda  a realização do XXII Seminário Nordestino de Pecuária – PECNORDESTE, um importante evento do agronegócio promovido pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Ceará – FAEC, pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural do Ceará – SENAR/CE, pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil – CNA, pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado do Ceará – SEBRAE e pelos Sindicatos dos Produtores Rurais, que durante todos esses anos de realização apresentaram diferentes alternativas de produção e debateram temas relevantes para o Agronegócio Nordestino, buscando, sempre, a melhoria das condições de trabalho e o acesso ao conhecimento pelos produtores rurais e micro e pequenos empresários do meio rural. O Pecnordeste 2019 já está definido e terá como tema a Pesquisa e a Inovação na Pecuária, devendo realizar-se de 13 a 15 de junho, no Centro de Eventos

O SENAR também atua desde 2015 na Educação Formal , oferecendo  o curso Técnico em Agronegócio, com 145 alunos matriculados, divididos em 04 pólos: Fortaleza, Cascavel, Quixadá e Quixeramobim.  O desafio de 2018 foi a Faculdade CNA, onde  ofertamos 05 cursos de nível superior: Tecnologia em Gestão do Agronegócio, em Processos Gerenciais,  em Gestão Ambiental,   Logística e Tecnologia e  em Recursos Humanos, conclui Sergio Oliveira.

Para 2019, o SENAR-AR/CE segue firme no objetivo de realizar a Educação Profissional, a Assistência Técnica e as atividades de Promoção Social, contribuindo para um cenário de crescente desenvolvimento da produção sustentável, da competitividade e de avanços sociais no campo, finaliza o Superintendente.

Veja também