ALIMENTAR

É CONSTRUIR

O FUTURO

CNA debate desafios da mão de obra e avanço da mecanização na colheita de café conilon
50196545381 2963f16d01 c

Live para discutir o tema foi realizada na terça (27)

28 de setembro 2022
Por CNA

Brasília (28/09/2022) – Os desafios para conseguir mão de obra safrista e o avanço da colheita mecanizada de café conilon foram os temas de live promovida pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, na terça (27).

O debate online foi conduzido pela assessora técnica da CNA, Raquel Miranda. “A carência de mão de obra safrista em algumas regiões pode atrasar a colheita do café, comprometendo o vigor das plantas, a qualidade dos grãos e contribuindo para maior incidência de pragas e doenças”.

De acordo com Raquel, muitos produtores buscam alternativas para otimizar os trabalhos de colheita. “Entre essas soluções se destaca a mecanização, que vem sendo adaptada para a realidade da espécie conilon”, disse.

O vice-presidente da Comissão Nacional de Café da CNA, Thiago Orletti, falou da situação do Espírito Santo, maior produtor de conilon do país. Segundo ele, um conjunto de fatores impacta a disponibilidade de mão de obra na colheita de café no Estado.

“Muitas cidades do interior, a exemplo de Linhares, temos percebido uma intensificação na migração da mão de obra do campo para a cidade. E quando não colhemos o café no momento adequado, temos impacto direto na safra seguinte”.

Para Thiago, existem alternativas para o produtor não ter problemas durante a colheita de café. Ele citou o uso de tecnologias de mecanização e diferentes clones (precoce, intermediário e tardio). “O uso de clones com diferentes janelas de maturação permitem uma colheita mais escalonada”.

imagem Em cima: Raquel Miranda e Thiago Orletti/ Embaixo: Abraão Carlos Verdin e Cleber José Ghisolfi

Durante a live, o produtor rural Cleber José Ghisolfi, gestor da Fazenda Olinda, localizada em Linhares (ES), contou sobre o momento em que precisou adquirir uma máquina colheitadeira diante da dificuldade em contratar mão de obra na região. “Eu fui obrigado a buscar uma solução. Mas primeiro tive que estudar a máquina que originalmente foi desenvolvida para o café arábica, e depois adaptá-la a minha lavoura”.

Ghisolfi explicou que, com a mecanização, conseguiu colher 98% da sua lavoura sem agredir a planta. “Consegui adequar a regulagem da máquina para cada variedade de café”.

O coordenador de Cafeicultura do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), Abraão Carlos Verdin, falou sobre a relevância econômica e a representatividade da produção de café conilon no Espírito Santo. Segundo ele, atualmente são produzidas 44,8 sacas por hectare, mas há potencial para chegar a 100 ou até 150 sacas por hectare. “Temos condição de avançar muito mais”, disse.

Abrãao também destacou a importância de se desenvolver tecnologias para áreas de declive, já que 70% do café é produzido em regiões de montanha.

Por fim, Verdin explicou sobre a importância de o produtor utilizar plantas com diferentes perfis genéticos para otimizar a colheita. “O Incaper disponibiliza clones precoces, médios e tardios. Com o uso desses clones em diferentes talhões, a mão de obra seria distribuída em quatro meses de colheita, o que facilitaria a contratação de pessoas”.

Assista a live na íntegra: https://www.youtube.com/watch?v=3sSsSsPf68w

  Assessoria de Comunicação CNA
Telefone: (61) 2109-4135/1421/1447
  flickr.com/photos/canaldoprodutor
  twitter.com/SistemaCNA
  facebook.com/SistemaCNA
  instagram.com/SistemaCNA
  facebook.com/SENARBrasil
  youtube.com/agrofortebrasilforte

Áreas de atuação