12/05/2016

Processamento caseiro do tomate estimula reutilização do fruto e geração de renda extra

O tomate é um ingrediente muito comum na alimentação do dia a dia. Geralmente utilizado em molhos e saladas, a variedade de uso do fruto na produção de receitas vai muito além disso. Desde um simples ketchup natural sem conservante até doces em calda, o processamento caseiro do tomate é uma forma de reutilizar os frutos que não entram na classificação para serem comercializados.

Para estimular essa atividade, o Senar/MS – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul oferece capacitação em Processamento Caseiro do Tomate em Coxim (de 19 a 21/05), Três Lagoas (de 23 a 25/05) e Campo Grande (de 31/05 a 02/06). Em Camapuã, o curso está em andamento e acontece no Centro de Treinamentos do Sindicato Rural até esta sexta-feira, dia 13.

O objetivo do curso é produzir derivados do tomate por meio dos processos de transformação e desidratação. A instrutora do SENAR/MS, Brasilina Aparecida de Carvalho, explica que no curso são utilizados tomates que não entram na classificação para comercialização e, assim, é possível fazer total reaproveitamento do fruto. “É importante evitar o desperdício. Quando o fruto está feio ou com rachadura, acaba não sendo comercializado, e aqui nós podemos reutilizá-lo de várias maneiras”, ressalta.

Dentre os produtos fabricados estão: ketchup natural, molho, doce pastoso, doce em calda, geleia, tomatada (doce de tomate de corte, tipo goiabada), molho agridoce, tomate seco e massa de tomate. A instrutora revela que as receitas doces causam muito estranhamento e curiosidade nos alunos. “O doce é uma receita que ninguém espera que pode ser feita a partir do tomate. É sempre uma ótima surpresa para os alunos do curso”, relata.

O curso é muito procurado por pequenos produtores e donas de casa, que buscam novos conhecimentos culinários e possibilidade de renda extra com a comercialização dos produtos fabricados. “Tudo o que produzimos é natural. É uma alternativa aos produtos industrializados que possuem aditivos químicos. O sal e o açúcar utilizados nas receitas são conservantes naturais”, afirma Brasilina.

O tomate é rico em licopeno, substância anticancerígena, antioxidante e que melhora a saúde cardiovascular. Além disso, também é rico em potássio e um excelente agente anti-inflamatório. A instrutora do Senar explica que o ideal é consumir o tomate após o cozimento, pois libera maior quantidade de licopeno.

Até o fim de maio, o Senar/MS oferece 58 cursos e capacita mais de 2.200 produtores e trabalhadores rurais em Mato Grosso do Sul. Para mais informações, acesse o site www.senarms.com.br ou entre em contato pelo (67) 3320-9700.

Assessoria de Comunicação do Sistema FAMASUL/SENAR-MS
www.senarms.com.br

Veja também