Prêmio Brasil Artesanal de Chocolate – Oportunidade com a crise
Nossos produtos

Em 2011, a engenheira Patrícia Lima deixou a vida em Salvador para ajudar os pais a gerir a produção de cacau

2 de outubro 2019
Por CNA

Brasília (02/10/2019) – Em 1989, os produtores de cacau do Sul da Bahia foram surpreendidos pela praga vassoura-de-bruxa. Em poucos meses, a doença devastou as plantações da fruta na região, descapitalizando os que vivam da atividade.

Para fugir da crise e aumentar a renda, os pais da engenheira civil Patrícia Viana Lima, 51 anos, começaram a produzir chocolate artesanal “tree to bar”, processo que inclui desde o cultivo do cacau até a confecção da barra de chocolate.

“Na época da crise eu morava em Salvador. Após 18 anos, larguei meu emprego e decidi voltar para a fazenda, a São José, em Barro Preto (BA), e ajudar os meus pais Fernando Botelho Lima e Aurea Maria Viana Lima a reconstruir a propriedade, que está na família desde 1896”, disse.

Ao retornar a Barro Preto, Patrícia viu nas amêndoas uma oportunidade de empreendimento. “Em 2012 nós criamos a marca “Modaka Cacau Gourmet” e desde então vendemos chocolates e derivados de cacau orgânico para todo o Brasil, principalmente para as regiões Sul e Sudeste”.

Todo o esforço e persistência da família Viana Lima tem rendido bons frutos. A marca Modaka, representada pela Patrícia, é uma das cinco finalistas do “Prêmio Brasil Artesanal 2019 – Chocolate”, promovido pelo Sistema CNA/Senar para valorizar e reconhecer os melhores chocolates artesanais do Brasil produzidos por mulheres.

Áreas de atuação