Mato Grosso do Sul

27/01/2020

Programa do Senar/MS visa elevar indicadores ambientais e produtivos da bovinocultura de corte em Mato Grosso do Sul

Por: Ellen Albuquerque Fonte: Assessoria de Comunicação do Sistema Famasul / Foto: João Carlos Castro

O Senar Mato Grosso do Sul tem no seu portfólio um novo programa com a metodologia da Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) - o Paisagens Rurais. A iniciativa atende a bovinocultura de corte com foco manejo, conservação e recuperação ambiental produtiva. A estimativa é que na primeira turma da iniciativa, com início previso para fevereiro, já são mais de 200 produtores interessados. 

O objetivo do programa está em promover a recuperação e conservação ambiental produtiva a partir do manejo sustentável com a adoção de práticas de agricultura de baixa emissão de carbono.

 “A equipe técnica do Senar/MS dará orientações quanto ao uso das práticas de agricultura sustentável, incluindo a Integração Lavoura Pecuária e Floresta (ILPF) e recuperação de pastagens degradadas, promovendo o planejamento do uso da terra, conciliando produção agrícola com conservação da biodiversidade”, explica o coordenador técnico, Fabiano Pessatti.

A novidade está no Indicador de Sustentabilidade Ambiental (ISA), instrumento que leva em consideração fatores econômicos, sociais, de gestão, capacidade produtiva do solo, qualidade da água, manejo dos sistemas de produção, ecologia, entre outros, em uma escala de 0,0 a 1,0.

“A partir de alguns critérios de impacto ambiental, os técnicos farão um diagnóstico da propriedade e darão orientações com o objetivo de elevar os indicadores. O ideal é que a régua do índice marque acima de 0,7”, detalha Fabiano.

É importante destacar que a iniciativa contemplará uma área específica da Bacia Hidrográfica Ottocodificada (BHO), nível 4, nº 8652 (Rio Anhanduí e Rio Pardo), que inclui os municípios de Campo Grande, Camapuã, Jaraguari, Bandeirantes, Sidrolândia, Terenos, Rochedo, Nova Alvorada do Sul, Nova Andradina, Anaurilândia, Bataguassu, Santa Rita do Pardo, Brasilândia e Ribas do Rio Pardo.

Os interessados que possuem propriedade nesta área, devem ter Cadastro Ambiental Rural (Car), ativo e procurar o sindicato rural do município e solicitar mais informações do programa, que é totalmente gratuito.

Veja também