Goiás

03/04/2020

Feirantes e consumidores aprovam Feira Segura

Por: Ascom Sistema Faeg/Senar Goiás

Goiânia (03/04/20) - A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o Sistema Faeg/Senar e o Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, realizaram na sexta-feira (3), o projeto piloto da Feira Segura, que  incentiva  a continuidade das feiras livres, de acordo com as orientações  da Organização Mundial da Saúde (OMS) para evitar o contágio por coronavírus.

O objetivo é ajudar os produtores rurais que enfrentam dificuldades para vender a produção devido ao isolamento social e garantir que os alimentos cheguem mais facilmente a mesa dos consumidores.

Fotos: Fredox Carvalho

O produtor Elenilson Soares já não sabia mais o que fazer com a produção e acolheu a iniciativa da CNA, Faeg/Senar e Governo do Estado, com a esperança de retomar a comercialização nas feiras, sem colocar em risco a própria saúde e a dos clientes.

"Essa pandemia exige reinvenção e estou buscando me  adaptar  às normas de segurança. Sei que não é fácil mudar um hábito de 20 anos em 20 dias,  exige muito compromisso e disciplina, mas eu estou preparado", conclui com otimismo.

A proposta é que a feira funcione em sistema de drive thru, sem manuseio dos alimentos e com a higienização adequada das mãos e das máquinas de cartão e embalagens. Os feirantes devem usar EPI's, como touca, máscaras e as barracas devem manter distância de um metro e meio.

O coordenador sindical da CNA, Wilson Brandão, reforçou que a iniciativa é criar um modelo que permita o exercício das feiras sem que haja risco de contaminação. "Nossa expectativa é construir uma metodologia de feira segura que será repassada às Secretarias de Agricultura de todos os estados e ao Ministério da Agricultura para que o modelo seja normatizado e replicado em todo Brasil."

Coordenador sindical da CNA, Wilson Brandão
Coordenador sindical da CNA, Wilson Brandão

O superintendente do Senar Goiás, Dirceu Borges, destacou que o setor agropecuário está empenhado para que os pequenos e médios produtores consigam vender a produção. "O segmento de hortifruti é o mais prejudicado nesse momento, já que se trata de mercadoria perecível e por isso as soluções precisam ser rápidas."

Superintendente do Senar  Goiás, Dirceu Borges
Superintendente do Senar Goiás, Dirceu Borges

O secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, explicou que o governo do estado está focado na busca de soluções para o controle e combate do coronavírus. 

"A proposta é buscar o melhor procedimento para que se tenha condições mínimas de realização dessa atividade, mantendo o nível de segurança para consumidores e feirantes.”

Veja também

Produtor, neste momento de crise em razão do coronavírus, você não está sozinho. Clique aqui e fale com nossos técnicos.