08/06/2016

Agropecuária é solução para desenvolvimento sustentável, afirma presidente da CNA

“A agropecuária é a solução e não vilã do desenvolvimento sustentável”. Foi com esta afirmação que o presidente da CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, João Martins da Silva Junior, iniciou o discurso durante a solenidade de abertura oficial do II SIGEE – Simpósio Internacional sobre Gases de Efeito Estufa, realizado nesta terça-feira (07), em Campo Grande, com a participação de aproximadamente 700 pessoas, entre lideranças rurais, políticas, produtores, pesquisadores e profissionais do setor.

O II SIGEE acontece no Centro de Convenções Rubens Gil de Camillo, entre os dias 07 e 09 de junho. O simpósio é promovido pelo Sistema Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de MS e pela Embrapa Gado de Corte - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, em parceria com diversas instituições públicas e privadas. A finalidade é compartilhar novos conhecimentos sobre a dinâmica de gases de efeito estufa na agropecuária.

Durante a abertura, o presidente da CNA salientou o desenvolvimento do setor, aliando altos índices produtivos com preservação ambiental. “A pecuária sempre teve o seu papel importante na economia nacional e consolidou a conquista ao setor, baseado no tripé da sustentabilidade que é o social, econômico e ambiental”, reforçou.

O presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, pontuou os pilares da produção de MS e como o setor produtivo tem se destacado ao unir produção à inovação tecnológica. “Mato Grosso do Sul é privilegiado devido à condição do solo e ao clima. Além disso, é beneficiado por ter três Embrapas e duas Fundações Fundação MS e Fundação Chapadão, o que aumenta a produção e produtividade do setor, diante do trabalho desenvolvido pela comunidade científica. E o terceiro pilar do setor é o produtor rural, com seu perfil empreendedor”.

Presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito.

Saito falou também do trabalho desenvolvido pela Embrapa Gado de Corte na realização do SIGEE. “Se não fosse o sonho e a inquietude da Embrapa não teríamos hoje um Cerrado tão produtivo”, acrescentou.

O coordenador do evento, Roberto Giolo, apresentou a programação do SIGEE e falou dos destaques deste edição. “Com caráter inovador, incluímos o recebimento de resumos voluntários de pesquisadores. Então, teremos a exposição de 127 trabalhos apresentados no saguão do simpósio, que já efetuou mais de 600 inscrições, até o momento”.

Do mesmo modo, o chefe geral da Embrapa Gado de Corte, Cleber Oliveira, destacou como os trabalhos desenvolvidos pela instituição incrementaram o desenvolvimento rural do Estado. “A Embrapa desenvolveu o CCN – Conceito Carbono Neutro, um processo capaz de neutralizar a emissão de gases de efeito estufa e agregar valor aos processos produtivos, elevando a margem de lucro do produtor rural”, enumerou para um auditório composto de muitos pesquisadores do setor.

Chefe geral da Embrapa Gado de Corte, Cleber Oliveira.

A principal finalidade da marca-conceito CCN desenvolvida pela Embrapa é atestar a produção de bovinos de corte em sistemas com a introdução obrigatória de árvores como diferencial. Nessas condições, a presença do componente arbóreo em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta, IPF) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF) neutraliza o metano entérico (exalado pelos animais), um dos principais gases responsáveis pelo efeito estufa que provoca o aquecimento global.  Durante a abertura, Oliveira lançou a marca-conceito Carne Carbono Neutro. “É um conceito produtivo que contribuirá para a implementação do sistema de produção de pecuária sustentável, com a introdução do componente florestal, capaz de neutralizar o metano emitido”, salientou.

O secretário de Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, afirmou que o setor produtivo e a pesquisa científica são responsáveis pelo desenvolvimento rural de Mato Grosso do Sul e citou, em seu discurso, a implementação do Programa Terra Boa. “O programa do Governo de MS tem como objetivo o aumento de produtividade em áreas com algum estágio de degradação, induzindo assim o desenvolvimento”. Por último, Riedel deixou ao público uma mensagem de otimismo diante do atual cenário econômico e político. “A indignação e a coragem são filhas da Esperança”.

secretário de Gestão Estratégica, Eduardo Riedel

Por último, o presidente da Embrapa, Mauricio Lopes destacou o trabalho desenvolvido em Mato Grosso do Sul. “Faz parte do nosso DNA, olhar para o futuro. Este é o principal insumo de uma instituição de pesquisa: o futuro. O que é feito hoje, é impactado lá na frente. O SIGEE é reflexo dessa trajetória”, disse.

Ações paralelas da abertura  -  A reunião das autoridades possibilitou a formalização de importantes protocolos que têm a finalidade de consolidar ações e programas focados na sustentabilidade do setor agropecuário. O primeiro contrato foi firmado entre a WRI Brasil e a Embrapa foi o GHG Protocol, uma ferramenta de Cálculo de Emissões de GEE no setor Agropecuário que tem objetivo de melhorar a gestão empresarial das emissões agrícolas.

No segundo acordo, a Embrapa e a CNA celebraram o acordo de cooperação técnica e financeira que tem objetivo de desenvolver uma plataforma de gestão do protocolo de rastreabilidade, além de monitorar as informações sobre produtos e serviços da pecuária brasileira.

Durante o evento a Embrapa Gado de Corte anunciou a abertura da seleção de candidatos para o Agroescola. O Programa de Transferência de Tecnologia e Capacitação em Pecuária de Corte existe desde 2012 e já formou mais de 50 profissionais.

A carga horária da capacitação é de 1600 horas, com aulas teóricas e práticas em período integral, sendo que os estudantes recebem formação fundamentada em projetos sobre estratégicas genéticas para melhoria da eficiência de produção e da qualidade da carne bovina e dinâmica de gases de efeito estufa em sistemas de produção da agropecuária brasileira. Ao final os participantes serão multiplicadores de tecnologia em pecuária de corte.

Mais informações e inscrições estão disponíveis nos sites fundect.ledes.net

Lançamento do Gibi: Mitos e verdades da carne

Alcançar o público infantil e consequentemente os pais das crianças com conhecimentos relacionados a cadeia da pecuária de corte. O conteúdo publicado é embasado em conhecimentos gerais e pesquisas científicas com linguagem lúdica e simples. Diferentes histórias farão parte desta edição que é de responsabilidade da Embrapa Gado de Corte e conta com a parceria da Associação do Novilho Precoce. Na primeira amostra do Gibi o tema principal será gases de efeitos estufas e o material está disponível na versão virtual no portal da entidade. Na abertura do Simpósio um exemplar foi entregue ao presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito; ao presidente da CNA, João Martins da Silva Junior e ao Secretário de Estado de Governo, Eduardo Riedel.

Além das lideranças já citadas, participaram também do evento: o vice-presidente do Sistema Famasul, Nilton Pickler;  o diretor tesoureiro da Federação e presidente da Fundação MS, Luiz Alberto Moraes Novaes; a diretora-secretária, Terezinha Candido; o diretor executivo, Lucas Galvan; o superintendente do Senar/MS, Rogério Beretta. Além de demais representantes políticos e do setor produtivo.

Também prestigiaram o evento, os seguintes presidentes dos sindicatos rurais: Ruy Fachini, de Campo Grande; Eduardo Antonio Sanchez, de Aparecida do Taboado; Frederico Stella, de Aquidauana; Lígia Franciscon Ricardo, de Anaurilândia; Altamir José Ramos da Fonseca, de Batayporã; André Cardinal, de Ponta Porã; Luciano Leite, de Corumbá; Otávio Vieira Melo, de Itaporã; Marco Garcia de Souza, de Três Lagoas; João Firmino Neto, de Laguna Carapã; Leandro Mello Acioly, de Bela Vista; Nelson Manoel de Oliveira, de Nioaque; Florindo Cavalli, de Santa Rita do Pardo; Antonio Maram, de Caarapó; José Ricardo Casotti, de Fátima do Sul; Saturnino Silvério, de Camapuã; Edy Elaine Tarrafel; Manoel Agripino de Lima, de Bataguassu; Lúcio Damália, de Dourados; Hermeson Israel dos Santos, Nova Andradina.

Outras autoridades: secretário executivo do SENAR Brasil, Daniel Carrara, presidente da FAEG – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Goiás, José Mário Schreiner, presidente da FAEAC – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Acre,  presidente da FAESC – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina, José Zeferino Pedrozo, presidente da FARSUL – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Rio Grande do Sul, presidente da FAEPA – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Paraíba, Mário Antônio Pereira Borba, FAEMG – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais, Roberto Simões, presidente da FAES – Federação da Agricultura e Pecuária do Estado do Espírito Santo, Julio da Silva Rocha Junior.

Assessoria de comunicação do Sistema Famasul
www.famasul.com.br

Veja também

Produtor, neste momento de crise em razão do coronavírus, você não está sozinho. Clique aqui e fale com nossos técnicos.