Restrição na oferta de açúcar e manutenção da competitividade do etanol trazem novas perspectivas, mas os preços pagos ao produtor de cana ainda comprometem a rentabilidade

Por: Superintendência Técnica da CNA

A estagnação na produção e produtividade da matéria-prima do setor sucroenergético reforça a possibilidade de restrição na oferta de açúcar brasileiro no mercado mundial em 2019 e, se associarmos a este fato uma menor produção de importantes players como Índia, Tailândia e União Europeia, teremos significativas alterações no balanço de oferta e demanda da commodity. Na última safra mundial de açúcar (out/2017 a set/2018) o superávit ocorrido em função do excesso de oferta, derrubou as cotações.

Veja também