Uma história e duas versões

Por: Por: Roberto Brandt*

Fonte:  O Estado de S.Paulo

Há um amplo consenso entre os brasileiros, de todas as regiões e em todas as situações sociais, de que o nosso país vive uma crise profunda e perigosa. O sentimento generalizado é de mal-estar e de descrença. Não contamos mais com o progresso como coisa certa, chegando a ponto de ter medo do futuro e saudades do passado.

O acordo, no entanto, termina nessas percepções sombrias. Quando se trata de entender as causas que nos trouxeram a esta situação, a divergência é completa e as visões, irreconciliáveis. A sociedade está dividida em narrativas muito diferentes e que conduzem a soluções que se opõem de modo radical.

Estamos vivendo no presente as consequências de uma herança política e administrativa que nos legou uma inédita recessão econômica e a deterioração fiscal e institucional do Estado. A regeneração da economia e a normalização da vida do País, no entanto, estão sendo empreendidas em meio a indesejáveis conflitos e mal-entendidos.

Já vivemos muitas crises econômicas antes, mas elas foram superadas e a normalidade voltou a se impor. Hoje já não estamos tão certos de que a normalidade vá voltar a ser em breve o modo dominante na vida do País, porque o sistema político deixou de funcionar, uma certa desordem institucional está em andamento e as saídas não estão à vista no horizonte.

Uma boa parte da opinião, com o apoio de poderosas estruturas de comunicação e a colaboração de setores do sistema judicial, construiu uma versão da nossa realidade segundo a qual a causa principal desta crise é a corrupção na política e no Estado.

O baixo crescimento econômico, os juros, os déficits do setor público e seu endividamento, a desigualdade social, tudo isso resultou quase que exclusivamente da corrupção de agentes públicos e sua impunidade, e não de escolhas erradas de políticas públicas.

Se essa é a verdade, as soluções estão na polícia, no Ministério Público e no Judiciário, e o papel mais urgente do Estado é o de investigar, prender, denunciar e condenar. As outras funções do Estado podem esperar. A grande reforma de que o País precisa é a reforma moral.

Se essa narrativa fosse fiel à realidade, nosso futuro seria realmente sombrio. Sabemos bem que a prisão de criminosos não põe fim ao crime e há mesmo momentos em que a elevação da criminalidade se dá simultaneamente ao aumento das punições.

A corrupção, mesmo que em outra escala, é algo indissociável da humanidade e ocorre em todos os tempos e em todos os lugares. A reforma moral da sociedade é um objetivo que está fora do alcance dos homens. Um princípio lógico, que não devemos ignorar, é que é inútil propor problemas para os quais não há solução.

O combate à corrupção faz bem à moral de um povo e deve ser atividade permanente das instituições públicas, mas a aplicação da lei penal não é a única projeção do poder e da ação do Estado. Pode confortar os instintos mais sensíveis ou aliviar as dores do ressentimento numa sociedade tão pobre e desigual, mas não resolve os problemas reais da população nem justifica, por si só, a existência do Estado moderno.

Há uma versão alternativa para a nossa crise, segundo a qual a corrupção sistêmica que se instalou nas instituições do Estado e nas suas empresas ocasionou graves danos ao patrimônio público e, algumas vezes, levou a erros de política pública, mas não é por si só explicação suficiente para os desequilíbrios que nos trouxeram ao atual estado da economia.

A crise fiscal que imobiliza o Estado brasileiro, em todos os seus níveis, advém da expansão imoderada dos gastos públicos, decorrente de dispositivos legais e constitucionais, que estão fora do controle dos governos. Gastos com pessoal e aposentadorias crescem, mesmo na recessão, acima do crescimento da renda nacional e da arrecadação tributária, beneficiando grupos minoritários de brasileiros, em prejuízo dos gastos com saúde, educação e segurança que beneficiam todos, e empurrando o Estado para o colapso financeiro.

A expansão automática desses gastos improdutivos produz déficits e endividamento, que arruínam o Estado, paralisam a máquina pública, criam uma situação de conflito entre os governos e a população que depende dos serviços públicos e minam a confiança na democracia e no sistema político.

O esgotamento da capacidade fiscal do Estado brasileiro é um processo que vem de longe, foi exacerbado após a Constituição de 1988 e chegou ao limite nos últimos governos. Para ser revertido precisa de duras reformas legislativas, especialmente a da Previdência e a do serviço público, além de ampla privatização.

Quando a chamada luta contra a corrupção desvia a atenção da sociedade desses objetivos estruturais e desorganiza o funcionamento do sistema político, o efeito colateral inevitável é a conservação dos privilégios, a perpetuação das injustiças distributivas patrocinadas pelo Estado e a completa perda de dinamismo da economia.

A luta contra a corrupção pública é necessária, mas o discurso de que o fim da corrupção é possível, que ele depende apenas da vontade e da ação da polícia, de procuradores e de juízes, e será a solução para a maioria dos nossos grandes problemas, encerra uma ideia errada e perigosa, pois dispensa a reforma do Estado e torna a nossa crise um problema sem solução.

O verdadeiro desafio do País é reformar o Estado para libertar a economia privada e limitar o ambiente institucional que favorece as oportunidades de corrupção, o que está sendo tentado, apesar de muita oposição. Em outras ocasiões da nossa História o discurso do combate à corrupção chegou a dominar o debate político e contaminar a sociedade. Ao final só provocou tragédias, desilusões e mudanças no poder, sem alcançar o fim da corrupção, como agora estamos vendo.

Será que não vamos aprender nada com nossos erros?

*Roberto Brandt é ex-ministro da Previdência
Artigo publicado no Jornal O Estado de São Paulo em 29 de outubro de 2017

Áreas de atuação

Núcleo Econômico

Veja também

Produtor, neste momento de crise em razão do coronavírus, você não está sozinho. Clique aqui e fale com nossos técnicos.