Em nova mínima histórica, Selic passa a 5,5% ao ano

Por: Superintendência Técnica da CNA

1. COPOM reduz taxa SELIC para 5,5% a.a.

Conforme esperado pela grande maioria das instituições financeiras, o Comitê de Política Monetária (COPOM) decidiu por nova redução da taxa SELIC. A decisão unânime de reduzir a Taxa SELIC dos atuais 6 ao ano, para 5,5% ao ano foi divulgada ao final da 225ª reunião realizada nos dias 17 e 18 de setembro. Conforme o gráfico 1, as expectativas majoritárias apontam nova redução da SELIC, embora haja significativa divergência entre os agentes sobre o patamar, entre 5,0% e 5,5%, a ser alcançado no final de 2019 e mantido em 2020.

Gráfico 1- Evolução da Taxa SELIC no Brasil: 2010 a 2019, e Projeções até 2020 (em %a.a.)


A decisão do COPOM foi apoiada na seguinte conjuntura econômica:

  • A inflação segue estável e em baixo patamar: 3,43% nos 12 meses encerrados em agosto de 2019;
  • Corte, pelo Banco Central dos EUA (FED) também no dia 18/09/2019, de 0,25 pontos percentuais na taxa de juros norte americana, que passa para a faixa de 1,75% a 2% ao ano. A redução pelo FED reduz a atratividade dos títulos públicos norte-americanos, ampliando a margem para redução das taxas de juros pagas pelos títulos brasileiros;
  • Expectativas inflacionárias dentro das metas estabelecidas até 2022;
  • Elevada ociosidade da economia brasileira refletida nas atuais:
      o Baixas taxas de crescimento do PIB: 1,1% nos últimos 12 meses;
      o Baixas taxas de investimento: 15,9% do PIB no 1º tri/2019;
      o Elevada taxa de desemprego: 12% no 2º tri/2019, segundo a Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (PNAD);
  • Expectativa de aprovação da Reforma da Previdência, também no Senado, após aprovação em 1º turno na Câmara dos Deputados, garantindo importante melhora nas contas públicas;
  • Deterioração das expectativas de mercado - de 3% no 1º sem/2018 para os atuais 0,87% - para o crescimento do PIB em 2019, conforme gráfico 2 a seguir.

    Gráfico 2 – Evolução das Expectativas de Mercado para o PIB Brasileiro em 2019

A Selic é a taxa básica de juros da economia, ou seja, o preço de referência do dinheiro. Por isso, reduções na Selic tendem a tornar o crédito mais barato e, em alguma medida, estimular o crescimento econômico.

Essa transmissão para o custo do crédito, contudo, não é instantânea. Depende de uma série de fatores, como o repasse pelos bancos para suas linhas de financiamento, o não incremento tanto da inadimplência como dos custos de transação dos bancos e, por fim, a disposição desses em não ampliar suas margens de lucro.

Para o agronegócio a consolidação do ciclo de redução da SELIC, iniciado na reunião anterior do COPOM (30 e 31/Julho) e consolidada agora, é benéfica pelas perspectivas de incremento:

  • da demanda doméstica por produtos de maior valor agregado, especialmente carnes e lácteos, com o progressivo acesso das famílias a crédito privado mais barato;
  • do número de operações de crédito rural a juros controlados a serem contratadas pelo setor privado, em função do menor custo para o governo federal com a equalização de taxa de juros;
  • no volume de crédito a ser contratado a taxas de juros livres em função das menores taxas a serem cobradas (revisão das taxas atuais) pelos bancos comerciais nas operações de crédito rural.

Áreas de atuação

Núcleo Econômico

Veja também

Produtor, neste momento de crise em razão do coronavírus, você não está sozinho. Clique aqui e fale com nossos técnicos.