Abaixo do centro da meta, IPCA registra 4,05% no acumulado em 12 meses

Por: Superintendência Técnica da CNA

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgou queda de 0,21% no Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro/2018 na data de 07 de dezembro. No último mês de outubro, o índice havia apresentado alta de 0,45%. A inflação registrada no mês de novembro veio abaixo do piso das expectativas de mercado, que apontavam estimativas de queda de 0,14% a ligeira alta de 0,01%, com mediana de -0,10%, segundo Projeções Broadcast - pesquisa realizada com 39 instituições e divulgada em 05 de dezembro.

Os alimentos apresentaram alta nos preços no mês de novembro. O grupo “Alimentação e bebidas”, que apresentou alta nos preços de 0,39%, foi impulsionado pelo subgrupo “alimentação fora do domicilio” (+0,49%) e também pelo subgrupo “alimentação no domicílio” (+0,34%), com destaque para a cebola (24,45%), o tomate (22,25%) e a batata-inglesa (14,69%). Dentre as quedas, sobressaíram o leite longa vida (-7,52%) e a manga (-2,67%).

Dentre os alimentos que tiveram alta nos preços, a cebola apresentou aumento de 24,45%. A alta pode ser atribuída ao fim da safra de cebola no cerrado onde estão grandes produtores como os municípios de Santa Juliana (MG) e Cristalina (GO). Com isso, houve uma redução significativa na oferta e, consequente, elevação dos preços nos principais centros de distribuição espalhados pelo Brasil.

O tomate também apresentou aumento no preço, na magnitude de 22,25%. Em algumas regiões produtoras, a baixa temperatura atrasou a maturação dos frutos na safra de inverno que tem seu pico, normalmente, no mês de novembro. Esse fato provocou uma queda na oferta e elevação dos preços.

Por fim, a batata também apresentou aumento nos preços em novembro (14,69%). Com as chuvas ocorridas no final de outubro e no início de novembro nas regiões Sul, Cerrado Mineiro e Goiás (com destaque para região de Cristalina), a colheita foi interrompida reduzindo a oferta do produto em novembro.

Por outro lado, o preço do leite longa vida apresentou retração (-7,52%) em novembro, mês de auge da produção nas regiões Sudeste e Centro Oeste. Mas a queda no preço ao consumidor deriva não apenas do aumento na captação de leite por parte das indústrias; mas também da queda no consumo do leite longa vida. Com isso, os preços pagos ao produtor já recuaram 13% comparativamente a agosto quando o preço do produto alcançou o pico. Assim, estoques em alta têm influenciado as negociações e pressionado para baixo os preços do leite UHT.

A manga também apresentou queda nos preços (-2,67%) em novembro refletindo o início da colheita, no final de outubro, no Estado de São Paulo, importante fornecedor para o mercado interno dessa fruta.

A inflação está mais alta nesse ano na comparação com 2017. Em 12 meses, a inflação acumula 4,05% enquanto em 2017 estava em 2,80%, abaixo do piso da meta que era de 3%. No acumulado do ano, o aumento de preços está em 3,59% enquanto em 2017 estava em 2,5%. Na comparação mensal, no entanto, novembro de 2018 registrou deflação (-0,21%) enquanto o mesmo mês do ano passado a alta havia sido de 0,28%.

É importante lembrar que a mudança de patamar da inflação ocorreu de forma abrupta em 2018, pois em maio desse ano, o IPCA registrava alta de 2,86%, no acumulado em 12 meses, e, no mês seguinte, registrou 4,39% - em grande parte devido à greve dos caminhoneiros. Os meses posteriores seguiram registrando inflação acima de 4%. Dessa forma, é importante ressaltar que se não fosse o aumento do IPCA no segundo semestre de 2018, muito em consequência ao tabelamento de frete, a inflação brasileira teria mantido um patamar similar ao de 2017.

Áreas de atuação

Núcleo Econômico

Veja também

Produtor, neste momento de crise em razão do coronavírus, você não está sozinho. Clique aqui e fale com nossos técnicos.